jQuery
Brasil em Portugues

Maioria dos brasileiros prefere perder voo à bagagem

14/05/2019

A CWT divulgou os resultados da sua última pesquisa realizada com mais de 2,7 mil viajantes corporativos ao redor do mundo e, de acordo com as respostas dos brasileiros, 66% preferem perder o voo do que suas bagagens. O índice nacional foi superior ao registrado nas Américas (54%), na Europa (52%) e na Ásia Pacífico (50%).

O estudo também mostrou que dois terços de quem viaja a negócios prefere assentos nas janelas ao invés dos localizados nos corredores dos aviões. Essa relação é de 71% na região Ásia Pacífico, de 65% na Europa e de 59% nas Américas, sendo que, no Brasil, essa condição é ainda mais primordial, registrando 83% da preferência.

Quanto ao transporte terrestre, 54% dos viajantes ainda preferem táxis tradicionais sobre os serviços de compartilhamento de corridas. Na Europa, 69% dos turistas preferem os táxis, enquanto nas Américas, 63% dos entrevistados preferem serviços estilo Uber, por exemplo. Para os brasileiros, tal preferência pelos aplicativos de mobilidade urbana chega a 66%, sendo 4% menor que a dos norte-americanos.

“Essas descobertas fornecem insights fascinantes e, às vezes, contra intuitivos sobre como os viajantes a negócios lidam com suas jornadas. Vemos diferenças significativas entre as regiões, por exemplo, na Ásia, onde as pessoas têm maior probabilidade de querer um assento na janela, enquanto em mercados como os EUA, a vista não é tão importante», comentou o vice-presidente executivo e diretor de Experiência do Viajante da CWT, Niklas Andreen.

Um dado curioso analisado pela CWT foi que 68% dos brasileiros preferem viajar sem conexão à internet a sentar-se ao lado de um desconhecido que gosta de conversar. Ao contrário do México, onde 55% dos viajantes preferem sentar-se ao lado de um desconhecido tagarela…

Compartir noticia por email:
Fuente: https://www.panrotas.com.br/mercado/pesquisas-e-estatisticas/2019/05/maioria-dos-brasileiros-prefere-perder-voo-do-que-bagagem_164207.html

Síguenos en Twitter: @aerolatinnews