Please ensure Javascript is enabled for purposes of website accessibility
Ahora leyendo:
Brasil: Rotas domésticas crescem 12,5% com relação a níveis pré-pandêmicos, mas altos custos operacionais atrapalham a recuperação da conectividade
Toda la noticia 2 minutes read

Brasil: Rotas domésticas crescem 12,5% com relação a níveis pré-pandêmicos, mas altos custos operacionais atrapalham a recuperação da conectividade

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (IATA – International Air Transport Association) realizou no dia 14 de dezembro um evento presencial sobre a retomada e as perspectivas da indústria nacional e global da aviação.

Dany Oliveira, diretor-geral da IATA no Brasil, e Tiago Pereira, diretor da Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC), falaram sobre a retomada resiliente do mercado doméstico brasileiro em 2022, o grande potencial de crescimento que a aviação tem no país e a necessidade de redução dos custos para operar no Brasil.

De acordo com Dany Oliveira, em outubro de 2022, o número de rotas domésticas no Brasil já era 12,5% maior em relação ao mesmo período de 2019. “Por sua dimensão territorial, população e tamanho da economia, o país tem tudo para crescer. A partir do momento em que tivermos um ambiente de baixo custo e maior alinhamento às melhores práticas mundiais do setor, criaremos as condições ideais para um crescimento robusto do mercado brasileiro nos próximos anos”, afirma.

Tiago Pereira também reforçou o potencial do mercado doméstico brasileiro e a importância de adotar medidas que reduzam os custos para uma retomada total da aviação.

“No Brasil, o transporte aéreo é popular, mas não universal. E reduzir o preço das passagens é fundamental para aumentar a demanda. Por isso, temos que avançar em questões como a judicialização e o custo do combustível, que hoje representa de 45% a 50% dos custos das empresas aéreas, o que impacta diretamente no preço da passagem. No pré-pandemia, foram as iniciativas de redução de custo que permitiram mais pessoas a voarem”, explica.

Sustentabilidade é prioridade do setor

Pedro de la Fuente, gerente sênior de Sustentabilidade da IATA nas Américas, falou sobre os compromissos do setor com a neutralidade de emissões de carbono até 2050 e os desafios e oportunidades dos combustíveis de aviação sustentáveis (SAF, na sigla em inglês) no Brasil.

“As companhias aéreas já estão se movimentando para a descarbonização. O cenário aponta que 65% desta redução virá do uso de SAF. Além disso, espera-se que a compensação/captação de carbono seja responsável por 19%, e que novas tecnologias de propulsão, como o hidrogênio, por outros 13%”, diz…

Compartir noticia:
Fuente:
Input your search keywords and press Enter.