Ahora leyendo:
Pacote de ajuda às companhias aéreas não deve sair do papel
Toda la noticia 3 minutes read

Pacote de ajuda às companhias aéreas não deve sair do papel

O esperado pacote de ajuda ao setor aéreo "” que inclui a desoneração de PIS/Cofins,subsídios em tarifas aeroportuárias e unificação da alí­quota de ICMS sobre o querosene de aviação (QAV),além da mudança no cálculo do preço do QAV, atrelado ao mercado internacional "” não deve sair do papel. A informação vem de fontes próximas ao mercado e que acompanham de perto as conversas entre governo e empresas.
Agência Estado
Aeronaves no aeroporto de Guarulhos: pacote de ajuda ao setor aéreo não deve sair do papel

O assunto já saiu da Secretaria de Aviação Civil (SAC) e está na Casa Civil, sem uma resposta positiva para o mercado. Na avaliação do governo, informa a fonte, a ajuda ao setor já teria sido dada por meio da desoneração da folha de pagamentos e do cancelamento de um aumento na tarifa de navegação aérea.

Ainda de acordo com a mesma fonte, os pedidos do setor fariam o governo deixar de arrecadar R$ 1 bilhão em tributos. Fora isso, não há espaço para discussão com a Petrobras sobre mudanças no preço do QAV. O assunto está descartado, já que esse é um dos poucos derivados da estatal onde "não há influência do governo na condução dos preços e nem haverá", comenta a fonte.

De acordo com o analista Adriano Pires, do Centro Brasileiro de Infraestrutura, o QAV representa em torno de 3,8% da receita total da Petrobras (dados de 2012). Para ele, a reclamação do setor aéreo faz sentido já que a receita vinda do QAV é a menor para a Petrobras. Em 2012, era de R$ 10,7 bilhões.

Veja também: Governo não deveria tributar combustível de aéreas nacionais, diz concessionária

"O subsídio de um determinado combustível pode fazer sentido dentro da polí­tica industrial do governo que, nesse caso, beneficia a indústria de automóveis e os donos de carros. Mas sendo o QAV um combustível com menor peso na receita da Petrobras, não faria sentido uma mudança no QAV?", questiona.

Para um outro consultor, a ausência de medidas compensatórias para as empresas vão resultar no freio do crescimento.

"O resultado final será de reajuste de preços, controle de oferta e concentração nas rotas mais lucrativas. Com isso, a demanda hoje crescente para o avião deverá ter um retorno, em parte para outro modal: o de ônibu", comenta o especialista.

Ainda segundo a fonte que acompanha todo o processo junto ao setor, técnicos que estudam o mercado se mostram preocupados com o destino das empresas aéreas. A previsão de reversão de prejuízos se torna cada vez mais distante, diz

Compartir noticia:
Input your search keywords and press Enter.