Ahora leyendo:
Iata pede decisões ‘baseadas em dados’ para garantir a liberdade de viajar
Toda la noticia 3 minutes read

Iata pede decisões ‘baseadas em dados’ para garantir a liberdade de viajar

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata) pediu aos governos decisões baseadas em dados para gerenciar os riscos da Covid-19 ao reabrir as fronteiras para viagens internacionais. Segundo o órgão, estratégias sem quarentena permitem a retomada das viagens internacionais com baixo risco de introdução de Covid-19 no destino da viagem.

“Os dados devem ser usados como base para a criação de políticas que gerenciam os riscos da Covid-19 para a retomada das viagens em todo o mundo, protegendo as populações, restabelecendo empregos e impulsionando as economias. Apelamos aos governos do G7, que se reunirão no fim deste mês, para usarem os dados disponíveis ao planejar e coordenar com segurança a restauração da liberdade de viajar”, disse Willie Walsh, CEO da Iata.

A Iata informou que as evidências continuam mostrando que a vacinação protege os viajantes de doenças graves e da morte, além de envolver um baixo risco de introdução do vírus nos países de destino:

  • O Robert Koch Institute (RKI) concluiu que os viajantes vacinados deixaram de ser agentes significativos na disseminação da doença e não representam um grande risco para a população alemã.
  • O Centro Europeu de Prevenção e Controle de Doenças lançou um documento de orientações preliminares sobre os benefícios da vacinação completa, no qual afirma que “a probabilidade de uma pessoa vacinada infectada transmitir a doença é atualmente avaliada como muito baixa a baixa”.
  • Nos Estados Unidos, os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (US CDC) observaram que, “com uma vacina 90% eficaz, o teste pré-viagem, o teste pós-viagem e a quarentena de 7 dias fornecem um benefício adicional mínimo”.
  • O Canadian Testing and Screening Expert Advisory Panel (Painel Consultivo de Especialistas em Testes e Triagens) recomenda que viajantes vacinados sejam isentos das medidas de quarentena.
  • Um estudo da Public Health England concluiu que as duas doses da vacina da COVID-19 são altamente eficazes contra as variantes da COVID-19.

Teste para viajantes não vacinados

Um desafio é o possível obstáculo para viajantes não vacinados, o que criaria uma exclusão inaceitável. Dados do NHS do Reino Unido sobre viajantes internacionais que chegam ao país (sem referência ao status de vacinação) mostram que a grande maioria dos viajantes não apresenta risco de introdução de casos de Covid-19 após a chegada.

  • Entre 25 de fevereiro e 5 de maio de 2021, 365.895 testes foram realizados em passageiros que chegaram ao Reino Unido. Antes da viagem, eles apresentaram resultado negativo no exame de PCR. Apenas 2,2% apresentaram resultado positivo para COVID-19 durante as medidas universais de quarentena após sua chegada. Destes, mais da metade eram de países da “lista vermelha”, considerados de risco muito alto.
  • Das 103.473 pessoas que vieram da UE (excluindo a Irlanda), 1,35% tiveram resultado positivo. Três países – Bulgária, Polônia e Romênia – foram responsáveis por 60% dos casos positivos.

A Iata uniu-se à Airbus e à Boeing para apresentar possíveis métodos para gerenciar os riscos da COVID-19 e manter as populações seguras na retomada da conectividade global. A aviação, incluindo os fabricantes, gerencia e reduz os riscos com eficácia todos os dias para manter as viagens aéreas seguras. Com isso, a Airbus e a Boeing desenvolveram modelos de gerenciamento de risco baseados em dados para entender o impacto das várias opções.

Compartir noticia:
Input your search keywords and press Enter.