Ahora leyendo:
ICAO fala do caminho que a aviação latino-americana deve seguir no pós-pandemia
Toda la noticia 3 minutes read

ICAO fala do caminho que a aviação latino-americana deve seguir no pós-pandemia

O presidente do Conselho da ICAO, Salvatore Sciacchitano, disse aos líderes da aviação civil latino-americana que o setor deve enfrentar uma série de desafios à medida que as viagens aéreas voltem ao normal. Os comentários do presidente fazem parte das principais observações que ele fez no evento Hermes Air Transport sobre a “resiliência e eficiência através da liderança e cooperação na era pós-COVID para a aviação latino-americana”.

Voltamos a 2003
“Estamos de volta aos níveis de 2003 em termos de capacidade global de assentos”, comentou Sciacchitano, explicando que a ICAO está projetando uma redução global geral de passageiros entre 41 e 50 por cento para 2021, em comparação com a redução de 60 por cento que monitorou para 2020.

“As recessões significativas enfrentadas nas viagens aéreas globais e regionais continuam a apresentar graves tensões de liquidez para empresas e fornecedores”, enfatizou ele, “e em toda a extensão das cadeias de valor do transporte aéreo e do turismo”.

A maioria dos comentários do presidente destacou como a Força-Tarefa de Recuperação da Aviação (CART) do Conselho da ICAO tem considerado de forma proativa os desafios que agora estão por vir. Ele explicou que, de acordo com as recomendações, novas prioridades foram identificadas para ajudar no alinhamento internacional de medidas e promover uma cooperação público-privada mais eficaz entre os governos e a indústria.

“Esta última fase das orientações e recomendações do CART tem como alvo questões específicas relacionadas às estratégias de gerenciamento de risco multicamadas dos Estados. Também apoia a criação de corredores de viagens de saúde pública, promove a distribuição global segura e eficiente de vacinas e serviços aéreos multilaterais de carga e incentiva certificados de teste de COVID-19 padronizados para uso internacional”, confirmou o presidente.

Governos precisam atuar
Sciacchitano destacou que o sucesso de curto prazo com esses objetivos dependeria do estabelecimento de estratégias de gestão de risco nacionais e regionais para abrir gradualmente as rotas aéreas e que os tomadores de decisão nacionais levassem mais em conta o papel do transporte aéreo como facilitador e multiplicador da resiliência econômica e recuperação.

As implicações potencialmente profundas de longo prazo para os modelos de negócios de transporte aéreo tradicionais e as operações pós-pandemia também foram identificadas como uma preocupação fundamental para os líderes da aviação no futuro, seja devido à digitalização acelerada ou às expectativas mais elevadas dos passageiros por opções de viagens mais saudáveis ​​e sustentáveis.

A última área de prioridade que ele identificou dizia respeito à melhoria dos níveis atuais de cooperação e compartilhamento de informações sobre estratégias de recuperação e lições aprendidas…

Compartir noticia:
Fuente:
Input your search keywords and press Enter.