Ahora leyendo:
Subasta aeroportuaria: el gobierno otorga 22 equipos al sector privado
Toda la noticia 4 minutes read

Subasta aeroportuaria: el gobierno otorga 22 equipos al sector privado

A Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) realizou hoje a sexta rodada de concessões de aeroportos brasileiros à iniciativa privada. O leilão de 22 equipamentos em 12 estados, realizado na Bolsa de Valores de São Paulo (B3) é a primeira etapa da chamada Infra Week, a semana da infraestrutura, que também irá leiloar a operação da Ferrovia de Integração Oeste-Leste (dia 8) e cinco terminais portuários no Maranhão e no Rio Grande do Sul (dia 9).

As concessões aeroportuárias valem por 30 anos e o leilão de hoje teve sete proponentes, tendo sido finalizado com R$ 3,3 bilhões em outorgas nos três blocos comercializados – Central, Norte e Sul. A Companhia de Participações em Concessões, unidade de negócios do grupo CCR, ficou com os blocos Sul e Central, com lances de R$ 2,1 bilhões e R$ 754 milhões. Já a Vinci Airports arrematou o bloco Norte, com lance de R$ 420 milhões.

Além dos vencedores, o certame teve participação da ACI do Brasil, Aena Desarrollo, Consórcio Aerobrasil, Consórcio Central Airports e Infraestrutura Brasil Holding XII. O lance mínimo total estipulado pela Anac era de R$ 186,1 milhões, o que resulta em ágio de 1.534% (bloco Sul, cujo lance mínimo era de R$ 130,2 milhões), 9.156% (bloco Central, que tinha o valor de R$ 8,1 milhão como ponto de partida) e 777% (bloco Norte, com lance mínimo de R$ 47,8 milhões).

“O momento é de oportunidade com a injeção de investimentos robustos que vão contribuir para a retomada econômica do País e do setor aéreo, bem como a melhoria da infraestrutura brasileira, o acesso ao modal aéreo e a geração de empregos”, afirmou Juliano Noman, diretor-presidente da Anac.

Os novos concessionários deverão fazer investimentos da ordem de R$ 6 bilhões durante os 30 anos da concessão, incluindo melhoras na infraestrutura e nos serviços prestados, adequação na capacidade de processamento de passageiros, bagagens e estacionamento de veículos. De acordo com os Estudos de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (EVTEAs), os investimentos estimados por bloco de aeroportos serão de R$ 2,86 bilhões para o Bloco Sul, R$ 1,8 bilhão para o Bloco Central e de R$ 1,48 bilhão para o Bloco Norte.

Blocos e movimentação
O bloco Sul é composto por nove aeroportos – Curitiba, Foz do Iguaçu, Londrina e Bacacheri (PR); Navegantes e Joinville (SC); Pelotas, Uruguaiana e Bagé (RS) -, o Central tem seis equipamentos – Goiânia (GO), São Luís e Imperatriz (MA), Teresina (PI), Palmas (TO) e Petrolina (PE) – e o Norte é composto por sete terminais – Manaus, Tabatinga e Tefé (AM), Porto Velho (RO), Rio Branco e Boa Vista (RR).

“Cada aeroporto e cada localidade foi estudado individualmente para garantir segurança, previsibilidade e solidez. Estamos criando uma agenda regulatória eficiente com avanços significativos nos últimos anos e a sexta rodada, definitivamente, é uma parte desse esforço”, completou Noman.

Segundo dados da Anac de 2019, os 22 aeroportos juntos são capazes de processar 11% do total de tráfego de passageiros no País, o que equivale a 24 milhões de passageiros por ano, em condições normais de oferta e demanda. A decisão de concessão desses aeroportos teve início com a publicação do Decreto Presidencial nº 9.972, de 14 de agosto de 2019, que os incluiu na lista de empreendimentos do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) do governo federal…

Compartir noticia:
Input your search keywords and press Enter.