Ahora leyendo:
Recuperação necessita de medidas de confiança, diz Iata
Toda la noticia 3 minutes read

Recuperação necessita de medidas de confiança, diz Iata

A Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata) pediu aos governos que trabalhem com a indústria em medidas de aumento de confiança diante de uma lenta recuperação antecipada da demanda por viagens aéreas.

“A confiança dos passageiros sofrerá um golpe duplo mesmo após a contenção da pandemia, atingida por preocupações econômicas pessoais diante de uma recessão iminente e preocupações persistentes com a segurança das viagens. Os governos e a indústria devem ser rápidos e coordenados com medidas para aumentar a confiança”, disse o diretor geral e CEO da Iata, Alexandre de Juniac.

Uma pesquisa encomendada pela entidade atestou que 60% dos viajantes antecipam o retorno da viagem dentro de um a dois meses após a contenção da pandemia, mas 40% indicam que podem esperar seis meses ou mais. Entre os entrevistados, 69% indicaram que poderiam adiar o retorno da viagem até que sua situação financeira pessoal se estabilizasse.

As primeiras indicações desse comportamento cauteloso de retorno à viagem são vistas nos mercados domésticos da China e da Austrália, onde as novas taxas de infecção por coronavírus caíram para níveis muito baixos.

Na China, a demanda doméstica começou a se recuperar quando a taxa de novas infecções caiu para um dígito e rapidamente se direcionou para zero. Embora tenha havido uma alta inicial de meados de fevereiro até a primeira semana de março, o número de voos domésticos se elevou em pouco mais de 40% dos níveis anteriores ao covid-19. Espera-se que a demanda real seja significativamente mais fraca, pois a ocupação nesses voos é baixa.

Já na Austrália, a demanda doméstica continuou a se deteriorar mesmo depois que a taxa de novas infecções caiu em um dígito. De fato, ainda não há sinal de recuperação, mesmo quando novas infecções se aproximam de zero. O comportamento do mercado doméstico é um indicador crítico, pois a recuperação pós-pandemia deve ser liderada pelas viagens domésticas, seguidas pelas regionais e depois pela intercontinental, à medida que os governos removem progressivamente as restrições.

“Em algumas economias, a disseminação do covid-19 diminuiu a ponto de os governos planejarem levantar os elementos mais severos das restrições de distanciamento social. Mas uma recuperação imediata da queda catastrófica na demanda de passageiros parece improvável. As pessoas ainda querem viajar. Mas eles estão nos dizendo que querem clareza sobre a situação econômica e provavelmente esperarão pelo menos alguns meses depois do fim para voltar aos céus”, disse de Juniac…

Compartir noticia:
Input your search keywords and press Enter.